Empreendedorismo feminino: 4 mulheres de sucesso

Hoje, dia 19 de novembro, é o Dia Global do Empreendedorismo Feminino. Data criada em 2014 pela Organização das Nações Unidas (ONU).

O Brasil é o 7º país com o maior número de mulheres empreendedoras e sabemos que não é uma tarefa fácil empreender, ainda mais para as mulheres que precisam conciliar a carreira com as demais tarefas do dia a dia, cenário que se agravou ainda mais com a pandemia. Dentro de casa, muitas relatam que estão vivendo um cotidiano exaustivo, tomado por tarefas domésticas, educação dos filhos e trabalho remoto.

Colocar os sonhos no papel e construí-los é uma meta mais desafiadora devido a sobrecarga imposta a elas. Além disso, para muitas mulheres brasileiras, mais do que um sonho, o que as motivam a empreender é a necessidade. Segundo dados do Sebrae, 44% das mulheres brasileiras empreende por necessidade, contra 32% no caso dos homens.

Diante de todo esse cenário de desafios, é louvável o que algumas mulheres empreendedoras alcançaram, mesmo com filhos e algumas em uma época em que a mulher ainda não tinha um papel de protagonismo.

Mulheres empreendedoras brasileiras

Luiza Helena Trajano

empreendedorismo-feminino-luiza-trajano

No Brasil, temos diversos exemplos de mulheres empreendedoras mas, sem dúvidas, Luiza Helena Trajano, que comanda a rede de lojas de varejo Magazine Luiza e outras empresas integradas a sua holding, é o ícone do empreendedorismo feminino no país.

A empreendedora formada em Direito pela Faculdade de Direito de Franca, transformou a rede de varejo da família em pioneira em vendas pela internet no Brasil. Atualmente, a rede possui mais de 1000 lojas, está presente em 18 estados e seu modelo de negócio hoje caracteriza-se como uma plataforma digital com pontos físicos. 

Luiza, além de referência como empresária, é uma das poucas CEOs mulheres da América Latina e sua fortuna está estimada (Forbes, 2020) em US$ 4,9 bi. Ela também se destaca por ser defensora do empoderamento feminino e políticas de inclusão e incentivo ao empreendedorismo feminino.

Com outras mulheres empresárias, formaram o Grupo Mulheres do Brasil que se dedica a apoiar e propor ações ligadas a educação, empreendedorismo, projetos sociais e cotas para mulheres.

Chieko Aoki

empreendedorismo-feminino-chieko-aoki

Chieko Aoki é CEO e fundadora uma das maiores cadeias hoteleiras do Brasil, a rede Blue Tree Hotel. Naturalizada brasileira, Chieko nasceu na cidade de Fukuoka, no Japão e mudou-se para o Brasil ao seis anos de idade.

Aoki é formada em direito pela Universidade de São Paulo – USP,  administração pela Universidade de Sofia, no Japão, e administração hoteleira pela Universidade Cornell, nos Estados Unidos.

A empresária construiu grande parte da sua carreira fora do país, no ramo de hotelaria nos EUA , Europa e Ásia. Iniciando em 1982 como diretora de marketing e de vendas da Caeser Park Hotels. Aoki também foi presidente marca americana Westin Hotels & Resort.

“A criação do Blue Tree foi um dos grandes momentos da minha história.”

Em 1997, fundou a rede Blue Tree Hotel, que se tornou um dos maiores empreendimentos femininos do país. Chieko Aoki também ficou conhecida pela quantidade de prêmios que possui, sendo uma das executivas mais respeitadas.

No ano de 2002 entrou para a lista dos 44 principais empresários da América Latina da revista de negócios Latin Trade. Ainda em 2002 recebeu o prêmio Executivo de Valor da revista Valor Econômico. Em 2013, Aoki foi nomeada pela revista Forbes como “a segunda mulher de negócios mais poderosa do Brasil”.

“O líder é a agulha e os seguidores são a linha. A linha sempre vai para onde vai a agulha. Então temos esta responsabilidade, se costuramos torto a linha também vai estar torta. E a gente sabe que quando termina a costura, a agulha sai e a linha fica.”

Zica de Assis

empreendedorismo-feminino-zica-assis

Heloisa Assis, mais conhecida como Zica, é cofundadora e sócia do Instituto Beleza Natural, maior rede brasileira especializada em cabelos crespos, cacheados e ondulados.

De família humilde, Zica é a sétima de 13 filhos. Nasceu na comunidade do Catrambi, perto da Tijuca, no Rio de Janeiro. Começou a trabalhar aos 9 anos de idade, como babá, faxineira e empregada doméstica.

Aos 21 anos, cansada sofrer preconceito por causa do cabelo cacheado e volumoso e ter que alisar para conseguir emprego, Zica decidiu fazer um curso de cabeleireira e começou a testar a fabricação de produtos para tratar seus cachos. Depois de 10 anos, chegou finalmente à fórmula ideal que começou a fazer sucesso entre seus conhecidos. Nascia ali o Beleza Natural, um empreendimento feminino de muito sucesso. 

Em 1993, pediu dinheiro emprestado para sua patroa, vendeu o carro do marido e investiu no seu primeiro salão. Hoje, coordena 49 unidades do Beleza Natural, também fundou e cuida da fábrica Cor Brasil, que produz uma série de produtos com a qualidade que sempre sonhou.

Zica de Assis recebeu diversos prêmios e reconhecimento pelo seu trabalho, entre eles, Foi eleita a Mulher mais Influente do Brasil, na categoria Empreendedorismo, pelo Jornal do Brasil e pela Gazeta Mercantil, em 2007 e entrou para a lista das 10 Mulheres de Negócio Mais Poderosas do Brasil, da Revista Forbes internacional, em 2013. 

Cristina Junqueira

empreendedorismo-feminino-cris-junqueira

Cristina Junqueira é sócia e cofundadora do Nubank. Nascida em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, em 1984, ela se mudou ainda bebê, com os pais, para o Rio de Janeiro. Após terminar o ensino médio, se mudou para São Paulo.

Possui graduação e mestrado em engenharia pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), além de um MBA pela Northwestern University (Kellogg School of Management).

Após anos trabalhando com consultoria estratégica e em bancos tradicionais, ela se juntou com David Vélez e Edward Wible e fundaram o Nubank, principal fintech do Brasil.

Cristina Junqueira foi reconhecida na edição 2020 das Mulheres Mais Poderosas do Brasil segundo a revista Forbes e posou para capa grávida, às vésperas de dar a luz à segunda filha. Ela também foi a única brasileira a ser reconhecida na edição 2020 da lista Fortune 40 under 40.

Empreendedorismo feminino na Insider

A Insider é uma marca nativa digital que tem como missão facilitar a vida das pessoas por meio de roupas funcionais, feitas com tecnologia têxtil de forma sustentável. Carolina Matsuse, cofundadora da marca, é formada em engenharia pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica – ITA. Antes de co-fundar a Insider, quando tinha apenas 25 anos, passou pela consultoria BCG e por startups como QuintoAndar e Uber. 

4 anos depois de sua fundação, a Insider tem mais de 200 mil clientes, 70 funcionários e Carol coleciona uma série de momentos memoráveis, altos e baixos que deixam a história da Insider mais interessante e também mais estressante para quem estava por trás de tudo. A bagagem adquirida nesses anos deu vários insights sobre empreendedorismo feminino pra Carol, que compartilhou alguns com a gente. 

3 dicas da Carol para começar a empreender

Se você deseja empreender, seja por um sonho ou por necessidade aqui estão algumas dicas de empreendedorismo feminino que podem te ajudar: 

Foque nos seus pontos fortes, esqueça suas inseguranças: “Ponto fraco todo mundo tem, mas sinto que nós mulheres tendemos a focar mais nos nossos pontos fracos que os homens, ficamos inseguras por causa disso e acabamos saindo em desvantagem algumas vezes. Eu era assim, mas virei o jogo quando comecei a me apoiar complemente nas minhas fortalezas e usar isso para construir credibilidade com os outros e autoconfiança comigo mesma.”

Busque um sócio complementar a você: “Se você quiser ser muito boa em tudo, vai acabar sendo média em tudo. Você não precisa carregar o peso do mundo nas suas costas, pode dividir esse peso com um (a) sócio (a) e depois, com sua empresa mais desenvolvida, com seu time também.”

Não vai ser fácil, mas só vence quem não desiste: “empreender não é um sprint, mas uma maratona, no início é doloroso porque é incerto e a grana é contada. Depois, o cansaço da luta diária e a necessidade constante de reinventar tudo, jogar tudo no lixo e começar de novo, diferente e continuar se adaptando. Altos e baixos a todo momento e sempre novos horizonte e novas metas quando as velhas metas são batidas. Empreender é um mix de inconstância, aventura, resiliência e superação.”